Arquivos da categoria: Ensino Religioso

Humildade

Dando prosseguimento às nossas aulas sobre virtudes, vimos recentemente a Humildade.

Humildade: discretamente presente

Humildade: discretamente presente

Suscitando o tópico

Comecei a conversa fazendo mistério. Dizia que trataríamos naquele momento de uma virtude importantíssima, a mãe de todas as outras. Então, revemos a história do Rei Davi e da mudança do seu comportamento. Tentei enfatizar sua admissão do erro e seu subsequente arrependimento. Quando transferimos o assunto para nossa realidade, pudemos ver que às vezes não nos é fácil reconhecer nossas falhas ou buscar agir diferentemente, como, por exemplo, com mais mansidão.

Descoberta

Quando terminamos o diálogo, mostrei um pedaço de cartolina dobrado e disse que ali dentro estava a grande virtude de Davi, que era a base do seu arrependimento.  E com gizes de cera, eles começaram a descobri-la.

Meus pequenos descobrindo a virtude

Meus pequenos descobrindo a virtude

Teoria X Prática

 

Foi interessante o que se seguiu. Os dois mais velhos queriam saber porquê a humildade era a mãe das outras. E aí, lembrando as que a gente já tinha estudado, fomos fazendo as devidas ligações: para ser sábio precisa-se primeiramente ser humilde para reconhecer nossos limites; para ser obediente é imprescindível ter humildade, etc.

A virtude revelada!

A virtude revelada!

Finalizamos com uma análise de frases que nós costumamos proferir no nosso dia-a-dia. Eles precisavam dizer se as frases condiziam com um comportamento humilde. Por exemplo, “Pode me passar um copo, por favor?” e “Com licença” versus “Me dá.” e “Sai da frente.” No fim, achei que todos gostaram.

Organização

Organização foi o tema abordado em Ensino Religioso nas últimas quatro semanas. Falamos sobre os benefícios de ser uma pessoa organizada, lemos sobre São Jerônimo e sua tradução da Bíblia, analisamos figuras de lugares bagunçados e como eles ficariam melhor se arrumados e, por fim, colocamos em prática um “sistema de participação na ordem doméstica”. Apesar do nome pomposo, é algo bem simples e tem se revelado eficaz.

Figurinhas de ações identificadas para serem colocadas no pote.

Figurinhas de ações identificadas para serem colocadas no pote.

Para cada um dos participantes, ou seja, meus 4 mais velhos, confeccionei figurinhas de tarefas domésticas. Esses cartõezinhos tinham, de um lado, uma ilustração de uma tarefa (E.g.: criança arrumando pares de sapatos) e a identificação do participante a quem ele pertencia no verso. Fiz mais ou menos 15 desses cartõezinhos para cada um e eles precisavam mantê-los num potinho de margarina, devidamente ornado e identificado. Toda vez que eles realizavam uma tarefa, eles deviam colocar a figurinha correspondente num pote de lenço umedecido (Escolhi esse pote porque parece com uma urna ou um cofre e é de plástico). Ao final do dia, antes de dormir, damos baixa das ações realizadas numa simples tabela que fica dentro do pote.

Para minha surpresa, eles gostaram da ideia. A minha mais velha, de 5 anos, é fiel cumpridora das suas tarefinhas e não esquece de colocar suas figurinhas no pote. É a nossa recordista!

Virtudes

O livro de religião da filha de uma amiga minha me inspirou a dedicar um pouco do tempo com meus filhos falando sobre algumas virtudes.

Aprendendo a pensar de Jam Black, publicado no Brasil pela Associação Internacional de Escolas Cristãs, não me agrada muito: o conteúdo é demasiadamente focado no Antigo Testamento, as ilustrações não são nada atraentes e muitas atividades se baseiam no âmbito escolar e dependem de recursos extras.

Depois de Sabedoria, Obedi^encia, Zelo e Gratid~ao, abordaremos Organiza'c~ao

As virtudes da Sabedoria, Obediência, Zelo e Gratidão.

Porém, ele me conquistou ao propor às crianças o estudo e a prática de 15 virtudes. Como meus filhos já têm uma vivência dentro da igreja e razoável conhecimento (infantil) da Bíblia, explorar essas qualidades seria novidade.

Decidi explorar cada virtude em três encontros. Para a apresentação do tema, suscito breve discussão e no fim confeccionamos um cartaz, sempre usando técnicas diferentes, que será exposto num canto da casa por um tempo. Num segundo encontro, dou exemplo de alguém, seja figura bíblica ou santo(a), que tenha sido modelo de tal qualidade. Depois de narrar a biografia brevemente, vemos imagens (fotos ou ilustrações) em livros ou na web. Na terceira-e última-vez que tratamos do tema, busco mostrar a necessidade da qualidade e as graças que sua aplicação pode trazer para a vida deles e de outros.

Para a virtude da Organização, nada melhor do que ordenar as letras.

Para a virtude da Organização, nada melhor do que ordenar as letras.

Esses momentos são especiais para mim por dois principais motivos. Primeiro, eu posso dar uma mensagem cristã e educá-los para serem adultos decentes. Segundo, eu vislumbro a reflexão de cada um a respeito deles mesmos e o impacto de suas atitudes perante à família e os outros. E isso não tem preço!