A leitura das horas realmente não é algo fácil para as crianças. Exige bastante prática. Meu filho está revendo o assunto em Matemática e minha filha o verá em Ciências ao tratar sobre a passagem do tempo.

Meu filhão posicionando os ponteiros
Meu filhão posicionando os ponteiros

Começamos pelo básico: mostrei a hora em relógio digital (E.g.: 6:25) e depois num relógio analógico. Para isso, usamos um relógio de brinquedo, sempre explicando como se usava os ponteiros e como se lia as horas e os minutos, especialmente quando se refere à próxima hora (E.g.: 7:50, dez para as oito).

Meu filho levou alguns bons minutos para entender que quando o ponteiro maior estiver no 8, 9, 10 ou 11, é muito comum fazermos referência à próxima hora e não à hora corrente. Percebi que essa forma torna-se ainda mais difícil em relógios digitais, pois eles não dispõem das pistas visuais dos analógicos, mas contam unicamente com a nossa memória.

Meu filhão desligando o alarme e lendo a hora
Meu filhão desligando o alarme e lendo a hora

Para exercitar essa forma de leitura, bolei a seguinte atividade. Coloquei o despertador do celular para tocar várias vezes ao longo de uma tarde: 14:30, 15:15, 16:50, 17:45 e 18:40 e o escondi (em lugares bem fáceis e audíveis). Toda vez que o alarme tocava, ele deveria achar o aparelho, desligá-lo e me dizer que horas eram usando a forma de referência à próxima hora sempre que possível. Foi um barato!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.